As quizilas, as réplicas e tréplicas inerentes ao pathos convivial — contraparte necessária ao pathos da distância constitutivo da linguagem da poesia — nos condenam a uma atitude de análise em que o importante é nos sentirmos implicados quer nos logros, quer nas pertinências que denunciamos.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

ébrio desequilivro




o torpedeamento do plasma estético contemporâneo, queira ou não, tem que passar por um gesto de aproveitamento do que melhor e pior se fez em nível de experimentação do solo dúctil da palavra e os espaços im/prováveis onde ela atua. de quebra, com todas as dobras estéticas e éticas praticadas sobre utensílios e objetos midiáticos (nós que estamos cegos de tanto ver). citem-se Warhol, Duchamps, Brossa, esse time todo.

a inquietação levada tão só na ordem programática de um projeto de ruptura corre o risco de diluir-se na e pela própria sofreguidão pelo novo: brochura e brochada da radicalidade a meio-pau.

mas ela, a tentativa de re-verter para uma outra leitura a face costumada, deve estar sim, sempre, na tensão de um estágio estético.

não é o caso aqui: um fazer tenaz, quase abstraído de sua irreverência.

Cândido Rolim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores